Instituto Ativa Brasil

30/07/2013

Ongs que mudam o mundo

O verbo transformar prova sua valentia e alcance no trabalho de ONGs que atuam em prol de pessoas, antes, sem perspectiva de vida. Conheça três exemplos desse comprometimento


"Qual é o seu sonho?", perguntou Dagmar Garroux - ou Tia Dag, como é carinhosamente chamada - a um garoto recém-chegado à Casa do Zezinho, entidade por ela fundada em 1994 no Parque Santo Antônio, periferia da zona sul de São Paulo. "O que é isso?", ele retornou, atiçando, naquele instante, a indignação há tempos incrustada no peito da educadora.

O inconformismo com o abandono da população, entretanto, se somou à fé no potencial de cada indivíduo, levando-a a acolher as demandas locais - falta de teatro, cinema, quadras esportivas, centros de saúde, emprego. A ONG atende, anualmente, mais de 1,2 mil Zezinhos, crianças e jovens de ambos os sexos, com idade entre 6 e 29 anos, inscritos nas mais de 60 escolas públicas da região. Ali, são envolvidos em atividades de educação, arte, cultura e formação geral e em oficinas de capacitação profissional.

Famosa por esbanjar garra e amor, Tia Dag ganhou notoriedade ao criar um modelo de desenvolvimento humano e social batizado de pedagogia do arco-íris. Ancorada em quatro pilares - ser (espiritualidade), conhecer (ciências), saber (filosofia) e fazer (arte) -, a metodologia educativa visa a autonomia de pensamento e de ação. O aprendiz entra aos 6 anos na sala lilás e vai avançando por sete estágios até chegar à sala vermelha, aos 21 anos.

"Procuramos desenvolver o talento de cada um, oferecendo muitos estímulos. Se a criança começa a trabalhar desde cedo, pula fases de aprendizado. Perde um direito", diz ela, que desafia: "Por que a única opção do jovem de periferia é fazer um curso profissionalizante?". Com orgulho, a educadora conta que, entre os "filhos" emancipados, há físicos, musicistas, profissionais das mais diversas áreas, inclusive atuando na própria ONG - 60% dos funcionários. Jack Arruda Bezerra é um entre milhares de Zezinhos crescidos e bem formados. No começo da adolescência, enquanto testemunhava a luta do pai desempregado para criar cinco rebentos e se fazia surdo aos chamados da criminalidade, ele foi conhecer a Casa, que mudaria seu destino.

"Depois de muitos cursos e reforço escolar, passei no vestibular e me formei bacharel em turismo. Meu pai nem acreditava que tinha um filho na faculdade. Isso só foi possível graças à Tia Dag", conta Jack. Nesse reduto do respeito e da inclusão, o engajamento dos familiares é crucial. Além de frequentar reuniões, eles participam de oficinas de prevenção à violência, de geração de renda e atividades culturais e de lazer. Para contribuir: Interessados podem colaborar doando material escolar e de limpeza ou por meio de depósito bancário e do voluntariado.

 

fonte: http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/atitude/ongs-mudam-mundo-746307.shtml





NOSSA MISSÃO
NOSSOS OBJETIVOS
RELATÓRIO 2012
RELATÓRIO 2013
ESTATUTO
ALAGOAS
BAHIA
ESPÍRITO SANTO
GOIÁS
MINAS GERAIS
PARÁ
PARAÍBA
PERNAMBUCO
PIAUÍ
FACEBOOK
TWITTER
FALE CONOSCO
Instituto Ativa Brasil

Por uma sociedade mais justa, inclusiva e sustentável.

Política de Privacidade
© Todas as fotos e imagens são registradas e de uso do Instituto Ativa Brasil. Texto disponível por Creative Commons Licence.